3/Dez/2013
RSS - Clipping
Tamanho da letra

Negócios com moda crescem mais entre as microempresas


Categoria: Empresarial
Publicado por: Departamento Empresarial
A quantidade de pequenos negócios da moda cresceu 51,66% em dois anos, entre 2010 e 2012, diante de 9,46% das médias e grandes empresas. Os microempreendedores individuais (MEI), com faturamento até R$ 60 mil por ano e até um funcionário, já são responsáveis por mais de 120 mil empreendimentos no setor. Os números, apresentados com exclusividade pelo Valor, fazem parte de um estudo desenvolvido pelo Serviço de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que atende a 23 mil empresas de moda, por meio de projetos e convênios voltados para o aumento e construção de relações sustentáveis na cadeia produtiva. O segmento engloba têxtil e confecção, couro e calçados, gemas e joias.
Segundo o levantamento, esses negócios já representam 46% das empresas do setor: 44% são microempresas com faturamento até R$ 360 mil e 10% pequenos empreendimentos com faturamento até R$ 3,6 milhões, somando 271 mil estabelecimentos, o equivalente a 98% do total de empresas do mercado brasileiro da moda.

É nesse cenário que Solange Arruda, artesã e designer de acessórios brasiliense, que vive em Alagoas, abrirá, em dezembro, seu primeiro ponto de venda. Há dez anos atendendo em sua residência, produz 200 peças por mês, tem clientes espalhados em vários pontos do Brasil e faturamento anual em torno de R$ 50 mil. Solange fez parte do grupo de 21 micros e pequenas empresas, de 15 Estados, que expôs seus produtos na FFW Shop, loja do São Paulo Fashion Week. "Mais do que fechar negócios, a loja é uma oportunidade de conhecer mais de perto um mercado de alto luxo quase inacessível para quem trabalha fora dos principais eixos da moda brasileira", avalia a empresária.

A oportunidade é fruto do Convênio Contextualizar na Moda, uma parceria de quase R$ 10 milhões com o Instituto Nacional de Moda e Design, que além de apoiar os pequenos empresários, também identifica e fomenta ideias. "Calculamos que as ações do convênio já tenham beneficiado diretamente mais de 500 pequenos negócios", diz Luiz Barretto, presidente do Sebrae.A Stooge também é um deles. Criada há quatro anos por Patrícia Oliveira, que mora em Apucarana (PR), vende roupas e acessórios em 200 pontos de vendas espalhados pelo país e fatura R$ 1,5 milhão. Especializada na moda rock, atualmente Patrícia trabalha em parceria com tatuadores e desenhistas, que produzem estampas exclusivas para suas coleções. "A cada ano o faturamento aumenta consideravelmente e espero uma alta de 50% para 2014", diz.

Os publicitários Tiago Durante e Rafael Lange também se beneficiam dos convênios do Sebrae e são mais um caso de sucesso no próspero mercado de pequenos negócios da moda. Em 2008 criaram a marca de camisetas Liverpool. Atualmente, com 14 funcionários diretos, tem faturamento de R$ 2,4 milhões e crescimento de 120% em relação a 2012. "Estamos mais que dobrando a cada ano, é uma conquista e tanto", diz Lange, prevendo faturar R$ 3 milhões em 2014. Quando os apresentadores do canal Multishow apresentaram o Rock in Rio 2013 com suas camisetas, eles celebraram a consagração de um negócio que investe em criatividade e qualidade.

Os mesmos componentes movem a fábrica de calçados Muv, de Brasília. Miguel Marinho e Vinícius Matheo, sócios da empresa, apostam em soluções inovadoras como os tênis adesivados que vêm conquistando clientes em diversas partes do país. "Já existia customização de tênis de grandes marcas, só que algumas não eram vendidas no Brasil ou eram muito caras, o tempo de entrega era grande e não dava liberdade de brincar com estampas. Essa foi a grande sacada, ninguém no mundo faz igual a gente", diz Matheo. Os jovens empresários empregam oito funcionários diretos e terceirizam outra dezena para serviços online e redes sociais e esperam bater R$ 1 milhão de faturamento em 2014, atendendo no atacado e no varejo.

Para o presidente do Sebrae há pelo menos duas principais razões que justificam esse crescimento, a criação em 2006 da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, que trouxe, entre outros benefícios, o Supersimples, uma redução, em média, de 40% da carga tributária e permitiu a criação da figura jurídica do MEI, e, no aspecto econômico, o aparecimento de um mercado interno forte com mais de 100 milhões de consumidores, dos quais 40 milhões pertencem à nova classe média, com mais condições de adquirir produtos e serviços. "O brasileiro tem mais motivação para empreender. Hoje, a cada três pessoas que iniciam um empreendimento, duas o fazem por uma oportunidade de negócios. Isso muda completamente a qualidade do empreendedorismo no país", analisa Barretto, do Sebrae.

Em dez anos, o percentual de pessoas que decidiram empreender por oportunidade subiu de 44% para 69%, pouco menos de 20% do PIB. "Por isso, o trabalho do Sebrae tem se direcionado a fortalecer os pequenos negócios para conquistarem valor agregado em suas operações e posicionamento sustentável nas cadeias de valor que se inserem", afirma Barretto.

 

Fonte: Valor Econômico

Receba nossa Newsletter, cadastre seu e-mail
 
Últimas Notícias
Mais Notícias
17/Out/2014 Bahia tenta atrair sócios para megaporto
17/Out/2014 Procura por ações da Ourofino supera oferta em cinco vezes
17/Out/2014 Cacau fino anima produtores na Bahia
17/Out/2014 Receita prorroga para novembro prazo para entrega de declaração de empresas
17/Out/2014 Base de cálculo menor pode reduzir créditos de ICMS, define Plenário
17/Out/2014 Supremo limita uso de créditos de ICMS sobre produtos da cesta básica
17/Out/2014 Sem concordata, empresas do Grupo Espirito Santo serão liquidadas
17/Out/2014 Embraer já produz peças para nova linha de jatos
17/Out/2014 Teles estão acomodadas, diz conselheiro da Anatel
17/Out/2014 Emirates reclama da cobrança de imposto no Brasil
© 2009 Cerqueira Leite Advogados Associados. Todos os direitos reservados.